Seguidores

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Cântico Negro


"Vem por aqui" — dizem-me alguns com os olhos doces
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: "vem por aqui!"
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali...
A minha glória é esta:
Criar desumanidades!
Não acompanhar ninguém.
— Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre à minha mãe
Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos...
Se ao que busco saber nenhum de vós responde
Por que me repetis: "vem por aqui!"?
Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí...
Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.
Como, pois, sereis vós
Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos?...
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos...
Ide! Tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátria, tendes tetos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios...
Eu tenho a minha Loucura !
Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...
Deus e o Diabo é que guiam, mais ninguém!
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.
Ah, que ninguém me dê piedosas intenções,
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou,
É uma onda que se alevantou,
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
Sei que não vou por aí!

José Régio
(poeta português do século passado)

********

Para ler e pensar bastante nessa época que se aproxima.

10 comentários:

Chica disse...

Linda e muito reflexiva essa mensagem da poesia tÃO ANTIGA E SEMPRE TÃO VÁLIDA!BEIJOS,LINDA TARDE,CHICA

José disse...

Olá Piedade!
Vim agradecer a sua visita, e suas palavras bonitas.
Este poema é mais ou menos do jeito que eu sou, já não vou por onde me mandam ir, quando ia por onde me mandavam, ia quase sempre pelo caminho errado. Parabéns foi uma boa escolha.

Um beijinho,
José.

Fernando Santos (Chana) disse...

Belo poema...Espectacular....
Cumprimentos

Cigana do Oriente disse...

Poesias nunca envelhecem mesmo, lindo!
Beijos pra você!

ELIANA-Coisas Boas da Vida disse...

SEI QUE Ñ VOU POR AÍ!
MUITO BOM !
BOA NOITE!

Cadinho RoCo disse...

Tinha uma gravação deste poema declamado por Paulo Gracindo, uma maravilha. Hoje tenho a lembrança dela em meu sangue e ouvidos.
Cadinho RoCo

Luís Coelho disse...

Fez uma boa escolha com este poema de José Régio.
São momentos para pensar e decidir as nossas próprias opções.
Agradeço a visita ao = lidacoelho =

Vozes de Minha Alma disse...

Piedade, realmente uma boa escolha fizeste.
Muitas das vezes nossa vida é um vendaval mesmo.
Um abraço, bjs.

Lídia Borges disse...

Um prazer chegar aqui e encontrar este poema de Josó Régio que não lia há tanto tempo.

É caso para dizer: Por aqui eu fico!

Um beijo

piedadevieira disse...

Infelizmente, eu tinha um disco com o Paulo Gracindo, mesmo,declamando essa preciosidade, com aquele vozeirão, e, pasmem, me desfiz deles todos por causa dos modernos aparelhos de som. É para chorar.