Seguidores

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

uma saída


A Solidão e sua Porta

Quando mais nada resistir que valha
a pena de viver e a dor de amar
E quando nada mais interessar,
(nem o torpor do sono que se espalha).
Quando, pelo desuso da navalha
a barba livremente caminhar
e até Deus em silêncio se afastar
deixando-te sozinho na batalha
a arquitetar na sombra a despedida
do mundo que te foi contraditório,
lembra-te que afinal te resta a vida
com tudo que é insolvente e provisório
e de que ainda tens uma saída:
entrar no acaso e amar o transitório.
Carlos Pena Filho
*****
Há muitas maneiras de amar, quando o amor trouxer dor e solidão.
Ame o que te sorrir na vida...

3 comentários:

Chica disse...

Ao invés de ficar sofrendo com o que o amor te dá, procura ver o bom...Linda mensagem,heim? beijos,ótimo fds,chica

laurinhando por ai disse...

Piedade
É o que tenho feito!!!
bjos
Laurinha

Meias de Seda (Suzy) disse...

É lindo esse poema do Carlos Pena Filho! Já postei lá no blog.
Tenha um ótimo final de semana!
Bjos ;)