Seguidores

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

travessia...



Há uma certa hora



Há uma certa hora
em que a casa é um navio
prestes a desatar-se do cais
da noite para o mar do dia.

É que amanhece. E as paredes
e objetos do quarto, os quadros
cadeiras e cortinas (paradas embora)
parecem ondear na enseada da sala.

Os corpos e lençóis se movem
como velas num lento ritual
e as pálpebras e os músculos
retomam a memória
ancorada na véspera.

Há uma certa hora
em que o dia iniciado
ainda não se inaugurou.
Tudo é possibilidade.
As notícias ainda não o mutilaram.
Tudo é um silêncio promissor.

É hora de entre espelhos
cremes e quimeras
escolher a roupa
com que vestir a manhã
hora de recolher o afeto enrodilhado
do cão na cama ou na poltrona
abrir o jornal e ver o sangue
da véspera e a esperança
nas entrelinhas das colunas
que sustentam
as perplexidades
de mais um dia.

Não se foi (ainda) ao escritório
ao mercado ao banco à escola.
O dia é um veículo estacionado
na garagem ou na esquina.
O terrorista não pôs (ainda)
em marcha a sua sanha
o traficante não repassou
a droga, e engatilhada
repousa(ainda)
a bala perdida.
A engrenagem da bolsa
-do pânico à euforia –
(ainda) não nos triturou.

O dia é um alvo
à espera do atirador.
Ainda não se teve
a tonteira o enfarto
o contrato não foi rompido
nada sabemos daquele telefonema
do recém-nascido do atropelado
da mulher que agora beija o marido
mas às quatro da tarde, feliz,
gozará com o amante
em completa doação.

Há uma hora em que o dia
ainda não se inaugurou
-momento absoluto
que antecede tudo.

De repente, a engrenagem
se movimenta o barco
se faz ao mar
desfaz-se a calmaria.

Só há duas alternativas:
- naufrágio ou travessia

4 comentários:

Chica disse...

Que lindo isso!Afonso escreve sempe lindamente.Obrigado pela partilha!beijos,chica

Baby disse...

Uma bela imagem emoldurando um poema intenso, profundo, tão real como o dia que começa todos os dias.
Obrigada por partilhares connosco tão belas palavras.
Beijos.

margoh werneck disse...

E....
Acreditar que somos capazes de amar...
Acreditar em algo que nos faça sentir que amanhã vamos sorrir.
Sonhar e sonhar continuar a sonhar...

Beijos

ValeriaC disse...

Belíssima poesia e reflexão amiga...
Doce seja sua tarde...beijos
Valéria