Seguidores

domingo, 25 de setembro de 2011

Nos cinquenta anos




Quarto em desordem




Na curva perigosa dos cinqüenta


derrapei neste amor. Que dor! que pétala


sensível e secreta me atormenta


e me provoca à síntese da flor



que não sabe como é feita: amor


na quinta-essência da palavra, e mudo


de natural silêncio já não cabe


em tanto gesto de colher e amar




a nuvem que de ambígua se dilui


nesse objeto mais vago do que nuvem


e mais indefeso, corpo! Corpo, corpo, corpo


verdade tão final, sede tão vária


a esse cavalo solto pela cama


a passear o peito de quem ama.



Carlos Drummond de Andrade

4 comentários:

Toninhobira disse...

Muito bom ler Drummond.Bela escolha Piedade.
Meu abraço terno.
Boa semana com todas as cores da primavera.
Bju.

ღα૨gѳђ ખ૯૨ท૯૮ઝܟ disse...

drummondsupremo!

linda semana pra voce.

beijo

Glória Maria - Fadinha disse...

Muito lindo, sensual. Drummond era maraviloso. Vim te desejar uma boa semana. Muita paz. Bjs

Andradarte disse...

Gostei de ler Durmmond 'malandreco'.....Não conhecia..
Beijo