Seguidores

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Não foram dez os curados? Onde estão os outros?


Essa passagem da bíblia nos remete a uma época em que dez pessoas foram curadas de uma terrível doença - a lepra.

Naquela época, a lepra além de ser incurável, era terrível , porque desfigurava a pessoa que era discriminada, tinha de viver fora da sociedade por ser considerada impura segundo a lei mosaica.

Nos tempos atuais, quando falamos em aids, câncer, a lepra já não é tão assustadora, ficamos com medo, assustados, pedimos a Deus que nos livre desse mal. Portanto, não somos tão diferentes, não. Na verdade, nos preocupamos mais com a doença do corpo do que da alma, que nos transfigura tanto por dentro quanto por fora. Como ficamos transtornados quando estamos irados, com ciúmes, inveja ou ódio!

A ingratidão é uma dessas doenças.

O evangelho de Lucas nos conta que dez leprosos foram curados, mas só um voltou para agradecer. Ele foi curado por fora, por isso foi ao sacerdote, para que atestasse que estava realmente limpo. Mas, ele foi curado também por dentro, da doença da ingratidão, por isso voltou para agradecer. Esse foi curado no corpo e na alma. "Não foram dez os curados? Onde estão os outros?" Que grande lição podemos tirar para nós nesta passagem bíblica!

Na dor e no sofrimento nos juntamos aos outros, indiferentes do seu estado financeiro ou de seus valores. Nos sentimos iguais, estamos no mesmo barco, que diferença faz?

Costumamos pedir muito, insistir nos pedidos, mas esquecemos rapidamente de agradecer. Jesus continuou, mesmo assim, curando aquele povo e o amando.

Há momentos, na nossa vida, em que sofremos ingratidão, mas não devemos desistir. Como disse Paulo: "Não cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo colheremos".

3 comentários:

CAFÉ COM LEITE ...PÃO COM MANTEIGA disse...

Maravilhosa passagem!!! Peçamos a Deus um coração contrito e perdoador.
Um grande beijo.

Valéria Gomes disse...

Também acredito que a cura começa pela gratidão. Falo dela todos os dias da minha vida e jamais desistirei de doar-me aos que necessitam. Gosto de olhar a vida através da janela da gratidão, é assim que sinto a presença do Criador e, por mais estranho que pareça, a vida fica mais bonita e as dificuldades perdem a força. Ser útil ou me render às necessidades do próximo, é o que tem me mostrado que a prática do bem nos recompensa com sabedoria em abundância.
Maravilhoso tema!!!

Beijos de passarinho!!!

Vozes de Minha Alma disse...

Realmente a gratidão está de mãos dadas com a humildade.
E é muito bom sentir-se leve e com o coração em paz e a alma curada, quando nos livramos dos fardos da ira, do ódio, da arrogância, do orgulho e da vaidade, e nos revestirmos com o espírito da humildade.
Um beijo em tue coração, um abraço.